Terça-feira, 16 de outubro de 2018   
  Sindicato dos Trabalhadores Públicos Federais em Saúde e Previdência Social no Estado de Pernambuco
 
Conheça o CFL  
Conheça o Sindsprev
Publicações
 Coluna Semanal
 Jornal Sindsprev
 Cartilha e Cadernos
Fotos
 Atividades do Sindicato
 Festas e Comemorações
Contraponto
 Artigos
Parceiros
 CNTSS
 CUT
 Sites Úteis
Folha Digital - Sindsprev
  Receba as últimas notícias em seu
e-mail. Cadastre-se.
Anvisa
Aposentados
Geral
INSS
Ministério da Saúde
RFB
  Notícia de Capa | publicado dia 12/07/2018 às 10:11
Congresso aprova LDO 2019 e derruba
proibição de reajustes a servidores
 

Após a mobilização de várias categorias de servidores públicos, foi retirado do texto o dispositivo que proibia
a concessão de reajustes ao funcionalismo e a criação de cargos no serviço público federal em 2019

 
CLIQUE PARA AMPLIAR
                                                                                            Foto: Roque de Sá/Agência Senado  
 
O Congresso Nacional aprovou nesta madrugada (12) a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2019. A matéria segue para sanção presidencial. A conclusão da votação permite que deputados e senadores estejam liberados para o recesso parlamentar, que vai de 18 julho até 1º de agosto. Após a mobilização de várias categorias de servidores públicos, foi retirado do texto o dispositivo que proibia a concessão de reajustes ao funcionalismo e a criação de cargos no serviço público federal em 2019. Até mesmo as medidas que teriam efeito a partir de 2020 estavam suspensas. 
 
A mudança no texto não prevê esses reajustes, mas garante a possibilidade que eles possam ser concedidos nos próximos anos. Para que fosse retirado da LDO, vários partidos governistas mudaram o entendimento e votaram a favor da exclusão do trecho. 
 
Segundo o deputado Paulo Pimenta (PT-RS), suspender o reajuste e impedir as contratações de servidores é uma discussão inadequada para o fim de uma gestão e deve ser decidido pela equipe econômica do próximo presidente da República. “É um debate que a sociedade brasileira ainda não fez, que é exatamente o debate que nós faremos no período eleitoral”, argumentou o parlamentar, ao propor a retirada do dispositivo.  
 
Por outro lado, o senador Dalirio Beber,relator da proposta na  Comissão Mista de Orçamento (CMO) argumentou que o dispositivo pretendia impedir que o governante eleito tivesse de arcar com compromissos firmados na gestão anterior. “Não conhecemos quem será o próximo presidente da República, mas conhecemos o grau de dificuldades que ele terá de enfrentar, e esse ponto visa a minimizar o tamanho dos problemas que o governo terá”, defendeu.
 
Também foi rejeitado o trecho que previa corte de 5% no custeio administrativo para 2019, composto por despesas do dia a dia do governo, como água, luz, telefone, aluguéis e diárias. O percentual de 5% já era uma redução definida após negociações nesta terça-feira antes da aprovação do parecer do relator na CMO. Inicialmente, o texto do parlamentar previa o corte de 10% nessas despesas. Para o parlamentar, o dispositivo era “pedagógico” e “iniciaria um processo de conscientização do setor público”.
 
CLIQUE PARA AMPLIAR
                                                                                       Foto: Ana Rayssa/Esp.CB/D.A Press
 
Benefícios fiscais
O texto da LDO prevê a redução de 10% dos benefícios fiscais – como renúncias de impostos – no próximo ano. Atualmente, esses benefícios correspondem a 4% do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país), somando cerca de R$ 300 bilhões.
 
Segundo Beber, a introdução do dispositivo que obrigará os benefícios fiscais a serem revistos periodicamente e reduzidos em 10% em 2019 e em 50% nos próximos dez anos, teve o objetivo de racionalizar os gastos do governo num cenário de escassez de recursos. 
 
“Esses mais de R$ 300 bilhões de renúncias fiscais passarão a ser revistos periodicamente. Em primeiro lugar, para saber se eles estão dando o retorno que acenaram quando foram instituídos”, acrescentou o senador.
 
Déficit primário
A LDO orienta a elaboração do Orçamento do ano seguinte com parâmetros econômicos e lista de ações prioritárias para o governo. O texto aprovado manteve a meta de déficit primário (resultado negativo nas contas do governo sem o pagamento dos juros da dívida pública) em R$ 132 bilhões (1,75% do PIB) para União, estados, municípios e estatais. Desse total, a União terá meta de déficit de R$ 139 bilhões; as estatais federais (desconsiderando os grupos Petrobras e Eletrobras), déficit de R$ 3,5 bilhões.
 
Para este ano, a LDO estima déficit primário de R$ 161,3 bilhões para União, estados, municípios e estatais, dos quais R$ 159 bilhões negativos correspondem somente ao governo federal.
 
Regra de ouro
Em relação a regra de ouro, que estabelece que o governo não pode emitir dívida pública para financiar gastos correntes (como custeio, Previdência e salários do funcionalismo), o relator manteve o dispositivo da LDO que autoriza o governo a enviar ao Congresso um projeto de crédito extraordinário para autorizar a emissão de títulos em caso de descumprimento da regra.
 
A Constituição dá prerrogativa ao governo de pedir o crédito extra, que precisa ser aprovado por maioria absoluta. No entanto, o relator incluiu a obrigação de o governo indicar os gastos a serem financiados pelas novas dívidas, que serão discriminados em uma rubrica específica e acompanhados pelo Tribunal de Contas da União.
 
Agência Brasil - postado em 12/07/2018 07:22 / atualizado em 12/07/2018 07:38 - (fotos: Roque de Sá/Agência Senado)
 
Fonte: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2018/07/12/interna_politica,694464/congresso-aprova-ldo-2019-e-derruba-proibicao-de-reajustes-a-servidore.shtml
 
 
Servidores não oneram Orçamento
 
Ao contrário do que defendem o governo e os analistas do mercado financeiro, não é a despesa com a folha de pagamento dos servidores que onera o Orçamento da União, no entendimento de Jordan Alisson Pereira, vice-presidente do Fórum Nacional das Carreiras Típicas de Estado (Fonacate) e presidente do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal).

“Em primeiro lugar é fundamental que o governo abra o diálogo e discuta as prioridades de distribuição do orçamento. E como se tem notado, nos últimos anos, o desembolso com o funcionalismo vem caindo a cada ano. Têm muito mais impacto as renúncias fiscais ao setor produtivo”, destacou – de acordo com o Tribunal de Contas da União (TCU), o país deixou de arrecadar R$ 354,7 bilhões com esse benefício, em 2017.
 
Em debate, ao vivo, pelo Facebook do Correio Braziliense, o dirigente sindical explicou os motivos pelos quais os servidores divergem do “rearranjo das prioridades orçamentárias” proposto pelo senador Dalírio Beber (PSDB/SC), relator da LDO, que, além de salários, congela benefícios, como o auxílio-alimentação ou refeição, auxílio-moradia e assistência pré-escola – permanecerão nos mesmos valores de 2018.

O relatório também indica a redução de 10% das despesas com custeio administrativo. “Parece que há uma escolha por seguir uma lei e outra, não. A legislação determina que anualmente os servidores tenham os salários reajustados pela inflação. E isso não vem acontecendo há muito tempo. No Banco Central, por exemplo, atualmente, os funcionários ganham apenas 85% do que ganhavam em 2010”, reforçou.
 
O senador Beber incluiu, ainda, um dispositivo em seu relatório que proíbe reajuste das verbas aos gabinetes de deputados e senadores, que bancam pessoal, material de divulgação e combustível, a compra de automóveis de representação e de imóveis e os recursos para reforma.

Em relação aos benefícios tributários à iniciativa privada, Bieber deu um prazo de 10 anos, para que elas não ultrapassem 2% do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país), hoje em 4%. “Esse é mais um motivo para discutirmos a repartição. São 10 anos para ajuste das renúncias fiscais e um corte drástico e imediato nas verbas de custeio”, comparou Jordan Alisson.
 
Correio Brasiliense - Blog do Servidor - Vera Batista - Publicado em 11/07/2018
http://blogs.correiobraziliense.com.br/servidor/servidores-nao-oneram-orcamento/
 
 
 
 
 
Após a mobilização de várias categorias de servidores públicos, foi retirado do texto o dispositivo que proibia a concessão de reajustes ao funcionalismo e a criação de cargos no serviço público federal em 2019






Por
Edmundo Ribeiro da Redação. do Sindsprev/PE.



Sindsprev Online
  Consultar Processos
  Legislação
  Acordo de Greve
  Defenda Seus Direitos
  Filiação
  Term. de Ocorr. de Consignatária
  Manual de Declaração do IR.
Pensionistas e herdeiros devem se regularizar  
Fale com a gente!
 
Tire suas dúvidas ou mande sua sugestão para nossos setores.
Agenda de Eventos
» Veja todos os eventos ...
Rádio & Podcast - Sindsprev
Escute aqui as últimas notícias e entrevistas do Sindsprev.
Na Rádio Sindsprev você pode criar sua própria lista musical. Confira!
 
Centro de Formação e Lazer
Buscar em :
 
 
 
Sindicato dos Trabalhadores Públicos Federais em Saúde
e Previdência Social no Estado de Pernambuco

Rua Marques do Amorim, 174 - Ilha do Leite - Recife-PE CEP 50.070-335
| siprevpe@uol.com.br | Fone: (81) 2127.8333
| Fax Administração: (81) 2127.8325 | Fax Jurídico: (81) 2127.8324
Coletivo de Imprensa: Alcinete Vasconcelos, Maria do Carmo Gomes da Silva,
Irineu Messias, José Bonifácio e Luiz Eustáquio
Diretora da Secretaria de Imprensa e Comunicação: Maria do Carmo Gomes da Silva
Jornalistas: Edmundo Ribeiro
Webmaster: Cristiano Silva
 
Administrativo Webmail